Manifesto

Já celebramos o amor [2014]
Já falamos sobre respeito [2015]
Já refletimos sobre intolerância [2016]
Já tiramos nossas máscaras [2018]

Agora, é hora de olhar pro lado e buscar entender, com carinho e cuidado, toda a potencialidade do outro. É momento de viver com EMPATIA para acolher, conectar e conviver com as diferenças.

Como festival, promovemos mais do que um encontro. Estamos produzindo uma celebração da multiplicidade — uma experiência de entender, refletir, acolher, conectar e conviver com as diferenças.

Sarará é uma ideia de valorização e liberdade de GENTE. Uma experiência de união de sentidos entre público, produção e arte. De conexão entre pessoas com todos os credos, de várias cores, com todas as orientações sexuais e com vivências e perspectivas múltiplas.

Nossa principal via de conexão é a música e, no processo de construção de Sarará, encontramos formas de entender e viabilizar caminhos de união a partir do respeito pelo diferente e da consagração da diversidade.

Ao refletir sobre empatia e acolhimento, nosso convite é de continuarmos tentando entender sobre o que somos.

Afinal, precisamos seguir em [r]evolução.

Bem-vindxs à Energia Sarará.

Bem-vindxs a um festival de sentir.

Um pouco do que já vivemos

Começamos em 2014, no Parque das Mangabeiras, com Criolo, Chama o Síndico e Baianas Ozadas. Sarará fez barulho celebrando o amor e o respeito.

No segundo ano, em 2015, com Seu Jorge, Flávio Renegado, Baianas Ozadas e Samba de Santa Clara no Parque das Mangabeiras, já era claro que um público fascinado pela novidade seguiria Sarará por onde fosse.

Um grande marco foi quando Sarará foi palco da Virada Cultural de BH, em 2016, cativando um público de mais de 50 mil pessoas em 24h no Parque Municipal, com Sandra de Sá e Lenine.

A consagração como festival aconteceu na nossa quarta edição, em novembro de 2016, com 7 mil pessoas no Parque Municipal e as vozes de Criolo, Liniker, MC Marechal, Gabriel O Pensador, Tulipa Ruiz, MC Carol e Ney Matogrosso.

Em 2018, fomos para a Esplanada do Mineirão, com 20 mil pessoas vibrando ao som de Tom Zé, Emicida com Drik Barbosa, Criolo, Mallu Magalhães com Maria Gadu e Marcelo Camelo, Nação Zumbi, Lagum, Gloria Groove, Johnny Hooker, Graveola e muito mais.07

Em

5 edições,

foram

67 artistas

e mais de

90 mil pessoas!

Bora continuar a escrever essa história?